bella torre 6
A+ B-
Publicada em 04 de Abril de 2017
Foto:

Governo do Paraná e União investirão R$ 135 milhões em 14 penitenciárias



O Governo do Paraná, a União e a Caixa Econômica Federal firmaram convênio para ampliação e construção de penitenciárias. Ao todo são 14 obras, sendo seis de ampliação e oito construções, que vão resultar na abertura de quase sete mil novas vagas no sistema penitenciário do Paraná. O custo total deste convê- nio será de R$ 135 milhões, sendo que R$ 34 milhões são de contrapartida do Governo do Paraná. Os recursos estão assegurados para a conclusão de todas as obras, que devem ser entregues até o fim de 2018. Uma das obras que integram o convênio é a constru- ção da cadeia de Campo Mourão, na região centro-oeste do Paraná. A obra será retomada nos próximos dias com previsão de término em dezembro deste ano. A penitenciária terá capacidade para 382 detentos e receberá presos encarcerados das delegacias da Polícia Civil da região. O custo da obra é de cerca de R$ 9 milhões. NOVAS VAGAS O convênio firmado entre o paraná e a União vai possibilitar que os presos das carceragens das delegacias da Polícia Civil sejam retirados e transferidos para as unidades prisionais. Além das vagas, a Secretaria Estadual de Segurança Pública estima o aumento do número de detentos monitorados por tornozeleira eletrô- nica. Hoje já são 4.664 os indivíduos que receberam o benefício concedido pelo Poder Judiciário, o que coloca o Paraná como o estado com o maior número de presos utilizando o equipamento. Estão previstas obras de ampliação na Casa de Custódia de Piraquara, na Penitenciária Estadual de Piraquara I e II, na Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu (PEF) e na Industrial de Cascavel (PIC) e ainda na Penitenciária Feminina do Paraná. Já as novas unidades serão as cadeias de Piraquara, Campo Mourão, Londrina, Guaíra, Foz do Iguaçu e Ponta Grossa, além de semiaberto em Piraquara e Campo Mourão. RECONSTRUÇÃO Além destas 14 obras, o Governo do Paraná investiu mais de R$ 5 milhões em obras para reformar as penitenciárias que foram destruí- das após rebeliões. É o caso das penitenciárias de Londrina, Cascavel e Foz do Iguaçu. Ainda estão em andamento obras de melhorias e reformas nas penitenciárias de Guarapuava, Londrina e Cruzeiro do Oeste. Em Cascavel, por exemplo, todos os presos que estavam encarcerados na 15ª Subdivisão da Polícia Civil foram transferidos para a penitenciária e a carceragem da delegacia foi demolida. Em Londrina, os homens detidos nas delegacias foram removidos para o sistema prisional e, após a reforma na Penitenciária de Londrina II, todas as delegacias da cidade serão esvaziadas. Fábio Campan Fábio Campana Política, Cultura & o Poder por trás dos Panos Beto reassume Beto Richa reassumiu o cargo de governador. Voltou retemperado para enfrentar os próximos 40 dias que serão tumultuados pelas eleições municipais. Richa tem candidato próprio ou em aliança em todos os municípios do Paraná. Leis, leis demais Além de Estado demais, temos lei demais. Nestas elei- ções municipais de agora, haverá um aumento assustador no número de candidatos a vereador. Porque ser político com mandato é bom demais para quem sonha enriquecer rapidamente e não confia na sorte para acertar os números da loteria. Ter um mandato eletivo neste Brasil brasileiro pode ser melhor negócio que ganhar na loteria. Temos um deputado nativo que ganhou seis vezes na loteria, nem por isso abandona o mandato. Pra que? Para que Curitiba precisa ter 36 vereadores? Por que a Assembléia Legislativa precisa ter 54 deputados? Por que raios a Câmara Federal tem que ter 513 deputados? Sou um ser político. Acredito em política. Acredito profundamente na importância do equilíbrio entre os três Poderes. Acredito profundamente na importância do Parlamento. Mas tá ficando difícil. CPI investiga Sem saber, países como Noruega e Alemanha podem ter financiado invasões de terras por organizações como MST, com suas doações milionárias ao Fundo Amazônia. A suspeita é da CPI da Funai/Incra, que enfrenta dificuldades para investigar o papel de ONGs na violência no campo. Pela primeira vez, uma liminar do STF proíbe uma CPI de examinar quebras de sigilo de ONGs que devem ter muito a esconder. Invasão disfarçada ONGs investigadas são pagas com dinheiro do Fundo Amazônia para promover “Retomada de Áreas Tradicionais”, disfarce de invasão. Somente a Noruega fez doa- ções 1,02 bilhão de dólares, equivalentes a R$3,3 bilhões ao Fundo Amazônia, que é administrado pelo BNDES. Seu dinheirinho Apenas um dos projetos financiados pelo Fundo Amazônia rendeu à ONG ISA (Instituto Socioambiental), por exemplo, R$ 11,7 milhões.Um projeto para “apoiar o fortalecimento das cadeias de valor da sociobiodiversidade”, seja lá o que signifique, rendeu R$8,02 milhões. Virou quartel A pretexto da segurança do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e familiares, a Casa Militar do governo do Distrito Federal se transformou em um verdadeiro quartel da Polícia Militar dentro do Palácio do Buriti. “Batalhão” maior que os de cidades como Ceilândia e São Sebastião. Os 387 funcionários da Casa Militar, na maioria policiais militares, fazem falta nas ruas de Brasília, onde criminalidade só faz crescer. Desperdício O gabinete do vice-governador do DF, que não muito o que fazer, concentra 50 policiais militares, além de um pequeno exército de civis. Para proteger os 100 mil moradores de São Sebastião, no DF, a PM dispõe de número semelhante de policiais no gabinete do governador. Subutilização Além de fazerem serviços de segurança, policiais são empregados em tarefas como motorista, estafeta, carregador de pastas etc. Em entrevista ao programa “Minha Brasília”, em que Daniel Zuko faz entrevistas enquanto dirige seu carro, o mineiro Carlinhos Vidente cravou: Dilma cai, Lula vai preso e Michel Temer renunciará. Expulsão apoiada Pesquisa do portal Diário do Poder mostra que 74% dos seus leitores apoiam a expulsão da senadora Kátia Abreu do PMDB. Apenas 6% são contrários ao desligamento da ex-ministra de Dilma. Faltou aritmética Lula disse à BBC que “dificilmente” outro país fará uma Olimpíada como a do Brasil. Isso porque foi “100% paixão, 100% alma e 100% razão”. Deve ter sido a fórmula do petrolão também. “Visivelmente, eu errei na escolha do meu vice-presidente.” Dilma Rousseff, em entrevista a agências estrangeiras. “Disseram que era impossível e a gente foi lá e fez.” FRASES Bernardinho, técnico da seleção brasileira de vôlei. TEM POLÍTICO DEMAIS Precisa-se de um Príncipe de Salina para acordar os políticos. É urgente. Eles chegaram ao fundo da cloaca. É preciso que mudem alguma coisa se querem sobreviver e preservar privilégios. Os brasileiros perderam a paciência e já não engolem o sistema, os métodos e, principalmente,os vícios. Olha o caos. O Brasil tem mais de 30 partidos, dos quais pelos menos uns 20 são apenas legendas de aluguel, sem ideologia, sem idéias, sem programas. Não servem para nada, a não ser para proveito dos próprios donos desses partidos. Tem Estado demais – e quer saber? Tem político demais. Tem deputado federal demais, tem deputado estadual demais, tem vereador demais. E como tem demais, eles criam leis imbecis, como a lei municipal que exige que toda porta de elevador tenha uma plaquinha a exigir que antes de entrar no elevador o cidadão deve verificar se ele está parado no seu andar. “Da próxima vez que você vincular meu relatório à obstrução da Lava Jato, vou para as vias de fato”. Requião para o senador Randolfe Rodrigues. “Em geral, o tribunal faz um juízo de ponderação, levando em conta várias variáveis, a complexidade do tema. A relevância da interpretação, da acusação. E faz uma análise tendo em vista toda a complexidade”. Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, sobre o julgamento das contas da chapa Dilma-Temer Confiança na mídia Levantamento encomendado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência mostrou que os jornais impressos se mantêm na liderança como o meio mais confiável, com 58%. As pessoas informaram que confiam muito ou sempre nessa mídia, contra 53% do mesmo levantamento feito um ano antes. A informação é de João José Werzbitzki. Ou seja, a credibilidade do meio mais tradicional, no caso o jornal, se elevou em um ano 5 pontos porcentuais. No caso de TV e rádio, que aparecem na sequência, 54% e 52% das pessoas disseram terem plena confiança nesses veículos. Outros veículos A mesma pesquisa mostra que a desconfiança segue alta em relação a algumas mídias: 71%, 69% e 67% confiam pouco ou nada no que leem, respectivamente, em redes sociais, blogs e sites. Tá tranquilo O presidente Temer disse estar tranquilo em rela- ção ao julgamento que pode cassar seu mandato, “Aguardo com tranquilidade aquele julgamento. O Judiciário fará aquilo que for melhor e aquilo que for combatível com o Direito”. A defesa de Dilma Rousseff pediu hoje mais cinco dias para se organizar melhor, o TSE cedeu. O julgamento deve se estender por, no mínimo, quatro ou cinco meses, apostam políticos e advogados que acompanham o caso. Requião surtou Enquanto todos estavam voltados para o TSE, Roberto Requião deu um showzinho na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, em mais uma audiência sobre o projeto de abuso de autoridade. Requião bateu boca com todos, incluindo o tranquilo Antônio Anastasia. Fora do microfone, chamou Randolfe Rodrigues para sair no braço Osmar com Hermas Hermas Brandão recebeu ontem o candidato a governador pelo PDT, Osmar Dias. Hermas foi deputado, secretário da Agricultura, presidente da Assembleia e do Tribunal de Contas. Já esteve em trincheira oposta a de Osmar Dias, mas agora decidiu apoiá-lo. Osmar se dedica a costurar todos os apoios possíveis para construir um arco de alianças tão extenso que deixará poucas opções aos seus adversários. O dedo do Requião Logo após a deflagração da Operação Carne Fraca, a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) veio a público dizer ter sido pressionada, quando comandava o Ministério da Agricultura, pelos deputados Osmar Serraglio (atual ministro da Justiça) e Sergio Souza, ambos do PMDB, para indicar e manter Daniel Gonçalves Filho no comando da Superintendência da Pasta no Paraná. Daniel é considerado pela Polícia Federal como o “chefe da quadrilha” que afrouxou fiscalizações sobre frigoríficos no estado. O louco forçou Nos bastidores, Souza diz que os ataques que ele e Serraglio sofreram de Kátia Abreu foram encomendados pelo senador Roberto Requião, presidente estadual do PMDB no Paraná. A atuação de Requião à frente da legenda está sendo contestada e o senador partiu para o embate a fim de não perder o posto. As informações são de Leandro Loyola na Época. Sem irregularidades O procurador-geral do Paraná, Paulo Rosso, afirmou nesta segunda-feira, 3, em coletiva de imprensa, que não há irregularidades ou suspeitas nos documentos relacionados às licenças ambientais concedidas na região do Porto e Paranaguá, no Litoral do Estado. “Nos procedimentos verificados não há qualquer tipo de irregularidade. Não há uma vírgula sequer que possamos apontar como irregular, ou sequer suspeita. Os procedimentos legais adotados foram respeitados”, disse Rosso. Pediu propina O ex-presidente e herdeiro do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht um dos 78 delatores da Operação Lava Jato, afirmou em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o ex-ministro Paulo Bernardo - titular do Planejamento e das Comunicações nas gestões petistas de Lula e Dilma, respectivamente - pediu e recebeu uma “contrapartida” de R$ 64 milhões, em 2009, por uma linha de crédito obtida pelo grupo no governo federal. As declarações constam do depoimento prestado pelo empreiteiro no dia 1.º de março, na ação que pede a cassação por suposto abuso de poder político e econômico da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer. Marcelo Odebrecht se referiu à “contrapartida específica” como um “dinheiro que pode ter vindo de maneira ilícita”. O empreiteiro afirmou que a Odebrecht colocou R$ 150 milhões na campanha de Dilma em 2014, a maior parte paga em forma de caixa 2. O valor ficava numa espécie de conta corrente controlada por ele e negociada diretamente com os ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega. Fora do convênio com a União, o Governo do Paraná vai construir mais uma penitenciária, com recursos advindos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen). Serão destinados R$ 31 milhões para a construção da unidade, cujo local de instalação ainda está sendo estudado pelo Departamento Penitenciário do Paraná (Depen).



Mostra Comentarios