bella torre 6
A+ B-
Publicada em 21 de Março de 2017
Foto:

Richa anuncia R$ 100 milhões para pesquisa e extensão universitária



O Governador Beto Richa autorizou nesta terça-feira (21) investimentos de mais de R$ 100 milhões para 28 chamadas públicas coordenadas pela Fundação Araucária – que incluem bolsas de estudos para gradua- ção, pós-graduação e para o exterior – e a contratação de 82 projetos vinculados ao Programa Universidade sem Fronteiras, das instituições de ensino superior pertencentes ao Estado. Os recursos resultam da parceria entre a Secretaria da Ci- ência, Tecnologia e Ensino Superior, Fundação Araucária, parceiros do setor privado e Governo Federal. A solenidade de lançamento, no Palácio Iguaçu, teve a participação do secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, e do presidente da Fundação Araucária, Paulo Brofman, com a presença de reitores, professores e pesquisadores. “As ações de inovação da comunidade acadêmica garantem um futuro sustentável e vigoroso ao nosso Estado”, disse Richa. “Os recursos investidos em ciência, tecnologia e inova- ção, a credibilidade e os bons projetos de nossos pesquisadores atraem parcerias da iniciativa privada, garantido investimentos importantes no Paraná”, ressaltou. IRRADIADORES Richa disse que o Paraná é o estado brasileiro que mais investe no ensino superior. “Nossas universidades são centros irradiadores de conhecimento em todas as regiões e contribuem muito com o desenvolvimento econômico e social do Estado. Por isso, mantemos o compromisso de apoiar as ações das instituições de ensino e pesquisa, com foco no desempenho do Paraná e na garantia do bem estar de nossa gente”, completou Richa. O secretário João Carlos Gomes disse que os investimentos em educação superior e transferência de conhecimento, por meio das ações de extensão, são prioridades no Estado. “A liberação desses recursos faz com que o Paraná atinja um status, Arnaldo Alves / ANPr de a 10% dos acidentes com mortes nas rodovias federais no Paraná. Um levantamento da PRF revela que essa é quarta maior causa de acidentes no Estado, ficando atrás apenas de excesso de velocidade (31,2%), falta de atenção (28,5%) e desobediência a sinalização (11,2%). “O investimento em equipamentos é essencial para coibir comportamentos de risco. No Paraná, temos trabalhado com o chamado tripé da segurança viária, que prevê ações conjuntas de educação, fiscalização e engenharia de tráfego”, explicou o diretor-geral do DetranPR, Marcos Traad. REDUÇÃO Segundo o Detran-PR, foram 9,2 mil infrações registradas em 2015 e 8 mil em 2016. O comandante-geral da Policia Militar, coronel Maurício Tortato, disse que nos últimos dois anos o número de motoristas flagrados dirigindo sob influência de álcool reduziu e que a expectativa é que o número diminua ainda mais. “Com os novos equipamentos dobraremos nosso potencial de fiscalização, atuaremos não apenas com efeito repressivo, mas também para educação de trânsito, para diminuir o impacto grave da composição que é o álcool e a direção”, disse ele. RIGOR A Lei Seca, em vigor há mais de sete anos, determina que o condutor que tiver ní- vel igual ou superior a 0,3 miligramas de concentração de álcool por litro de ar alveolar pode ser preso. Neste caso, o motorista comete crime de trânsito e deve ser encaminhado à delegacia. Quem se recusa a fazer o teste bafômetro, ou qualquer exame que detecte a influência de álcool ou drogas, paga multa de R$ 2.934,70, tem a carteira de habilitação suspensa por 12 meses e o veículo retido. Além disso, o agente de trânsito pode fazer a comprovação da embriaguez por meio de testemunhas, vídeos e sintomas evidentes como hálito, sonolência e agressividade. O governador Beto Richa entrega nesta terça-feira (21), em Curitiba, 384 bafômetros para uso em blitz de trânsito realizadas pela Polícia Militar do Paraná dentro do Brasil, de um estado que investe em ciência, tecnologia e ensino superior. O governo apoia o desenvolvimento dessa área não só nas universidades estaduais, mas também no sistema federal e no sistema comunitário”, ressaltou. R$ 380 MILHÕES Os 28 editais da Fundação Araucária totalizam investimentos de R$ 98,7 milhões, dos quais R$ 48,4 milhões com recursos do Estado, por meio do Fundo Paraná. O restante vem de parceiros como o Governo Federal e setor privado. O presidente da Fundação Araucária, Paulo Brofman, explicou que nos últimos seis anos foram destinados R$ 380 milhões para a projetos de pesquisa. O recurso foi utilizado em financiamento de cerca de 18 mil bolsas – desde apoio a alunos da iniciação científica até bolsas sênior a professores aposentados – e para mais de 400 projetos de alta tecnologia. “Há um retorno importante, com o desenvolvimento de patentes e inovações, que certamente contribuem com a melhoria da qualidade de vida que essas pesquisas buscam”, afirmou Brofman. “Ciência, tecnologia e inovação são a semente da governabilidade, porque são as pesquisas e as novas descobertas que formam produtos de alto valor agregado e geram riqueza aos municípios, ao Estado e ao País.” LINHAS DE AÇÃO Os 28 editais da Fundação Araucária serão lançados nos próximos semestres, tendo iní- cio já neste primeiro semestre de 2017. Eles são vinculados às seguintes linhas de ação: fomento à pesquisa, verticaliza- ção do ensino superior e forma- ção de pesquisadores, e disseminação de conhecimentos. Os recursos serão aplicados na execução de novos projetos que beneficiam professores, técnicos, alunos da graduação, pós-graduação e recém-formados de universidades públicas estaduais e federais, universidades comunitárias, universidades privadas sem fins lucrativos e institutos de pesquisas sediados no Paraná. EXTENSÃO Os 82 projetos de extensão e programas vinculados ao Universidade Sem Fronteiras beneficiarão bolsistas e toda a população atendida nas atividades das instituições estaduais de ensino superior. São projetos nas áreas da saúde, agricultura familiar e agroecologia, inova- ção e diversidade cultural e inclusão e direitos sociais. O programa Universidade Sem Fronteiras tem por finalidade contribuir com o cumprimento da função social das universidades estaduais do Paraná. O objetivo é desenvolver projetos de extensão em áreas que privilegiam os municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – IDHM. Podem participar do programa professores-orientadores, profissionais recém-formados e estudantes de graduação das universidades públicas do Paraná que irão formar equipes multidisciplinares para atuar nos projetos. PRESENÇAS Participaram da solenidade o presidente do Simepar, Eduardo Alvim; os reitores da Unioeste, Paulo Sérgio Wolff; da Unicentro, Aldo Nelson Bona; da UEL, Berenice Jordão; da UEM, Mauro Luciano Baesso; e da Unespar, Antonio Carlos Aleixo; a vice-reitora da UTFPR, Vanessa Ishikawa Rasoto, e o deputado estadual Guto Silva.



Mostra Comentarios